sexta-feira, 9 de maio de 2008

O telefone existe

Concentrado no trabalho numa terça entre feriados. O dia tinha tudo pra ser calmo, mas pega fogo. Só depois das 17h volta à normalidade. De olha na tela do computador (da minha "máquina", diria portentosamente o pessoal da TI), o telefone de um colega toca.

Toca sem parar, pois o colega não está na mesa no momento. Os ringues prosseguem, ininterruptamente, irritantemente. A pessoa do outro lado ainda não sacou que ali não há ninguém? Ou colocou na discagem automática e se distraiu, deixando o inferno reverberar?

Releio os parágrafos acima e pareço exagerado. Mas é o reflexo de um telefone que toca sem parar enquanto quero tocar meu fim de dia de labor. O trim-trim eterno revela a indiferença que pode reinar num ambiente de trabalho.

Todos ouvem o telefone. Ninguém atende (nem eu). Todos sabem que é do outro, problemas e informações destinados ao outro, no máximo arranjaremos o ofício de garoto de recados. Ninguém quer isso. Ignoram a campainha incessante. Quanto tempo vão resistir?

Vez por outra sucumbo. Atendo, anoto recado, tento ser educado, informo obviedades - "fulano não está" - e desligo, aliviado. Em breve tornam a ligar, o telefone existe e torna a tocar, a maioria prefere deixar pra lá.

Assim como aquele toque sonoro incessante, muitas outras situações - e pessoas - são alvos da indiferença constante que somos capazes de cometer. Dia desses me dei conta de que nunca lembrava do rosto dos profissionais da limpeza. Como lembraria, se sequer olhava-os nos olhos?

Aprendi que é tão fácil ignorar um aparelho telefônico quanto uma pessoa. Ambos podem ser igualmente irritantes - mas nem sempre. Há quem vire paisagem pra gente, e penso se merecem tal tratamento.

Aqui, no meu silêncio, posso ser tão infernal quanto um telefone que toca, toca, toca.

Um comentário:

Lívia disse...

Morri de rir com seu texto porque também passo por isso sempre! E quando é engano e a pessoa quer falar com alguém que você não conhece? E fica perguntando se você sabe o ramal da tal pessoa, se você não pode transferir a ligação... Em se tratando de uma empresa como a nossa, é fácil, né? Rsrsr
Bjs, Lívia